lunes, 25 de enero de 2016

Los alemanes se han volcado en apoyo de los refugiados (3)

Por eso que dicen de que empezar un artículo con números es aburrido: 176 fueron los ataques contra alojamientos para refugiados en Alemania solamente hasta finales de junio [de 2015]. En todo 2014, no llegaron a 200, así que puede verse con claridad el aumento. El tipo de ataque: piedras, cócteles molotov que provocan incendios, pintadas de esvásticas... de todo. En la mayoría de los casos la agresión es contra albergues en planificación, en obras, en los que aún no están viviendo refugiados en el interior. En otros casos, como pasó el 11 de julio en el pueblecito de Böhlen, incluso disparan fuego real contra un albergue en el que están viviendo refugiados dentro.

Alemania tiene un problema de racismo y en todos los medios, en el centro de la sociedad, se encuentra ahora mismo este debate, porque cada semana el corazón se sobrecoge con una nueva noticia de muestras de xenofobia. El viernes 24 de julio [de 2015], en Dresde, delante de unas carpas que habían montado para acomodar a un millar de refugiados, tuvo lugar una manifestación del partido neonazi NPD, así como otra demostración en defensa de los refugiados. Según cuenta la prensa, habrían sido unos 200 neonazis y unos 350 defensores de los refugiados. Los primeros, al parecer, atacaron a los segundos con piedras y botellas rotas provocando tres heridos, uno de ellos de gravedad.

[...] Los racistas extremos son muchos menos que los racistas de andar por casa o que, sobre todo, los antiracistas. Y, de ese modo, en el pueblito de Freital, en Sajonia, semana tras semana medio pueblo se dedicaba a manifestarse delante de un asilo de inmigrantes. La mayoría huidos y traumatizados, explicaban en la televisión pública que estaban muertos de miedo y con razón no se atrevían a salir solos o por la noche. Hasta que todo el país se enteró y se organizaron autobuses, un concierto antifascista y hasta el colectivo de artistas Dies Irae llevó a cabo una acción de guerrilla urbana colocando publicidad pro-refugiados en las paradas de autobús. Los eslóganes no tienen desperdicio: “El zorro es listo y se hace el tonto, el nazi hace lo contrario” o “Los nazis comen falafel en secreto”. El jefe del partido de izquierdas Die Linke, Michael Richter, sabe a que se están enfrentando en Freital: su coche salio volando por los aires después de que desconocidos colocaran un explosivo en la noche del domingo 26 de julio.

Este inconveniente de cara más radical que le ha surgido a la sociedad alemana es en realidad la punta del iceberg del pensamiento egoísta y miedoso de una buena parte de la sociedad alemana, como las manifestaciones del movimiento Pegida pusieron de manifiesto. Los “patriotas europeos contra la islamización de occidente” han dado la nota durante meses mezclando conceptos y expandiendo una cultura de negación de la diversidad y de rechazo al extranjero. Si bien estas protestas por fin se han calmado en los últimos meses [de 2015], su trabajo de propaganda ha calado entre determinados sectores sociales.

Pegida se distancia de los ataques a inmigrantes, a albergues para refugiados y hasta de las manifestaciones que tienen lugar justo en frente de las residencias de refugiados. Sin embargo, miembros del movimiento han demostrado, sobre todo en internet, lo peligrosos que pueden llegar a ser, amenazando a periodistas, deseándoles la muerte y tratando de asustarles para que no informasen de una forma negativa sobre el movimiento. Y es que internet es el lugar donde el problema alemán actual más patente queda: cientos y cientos de comentarios en páginas de Facebook y en blogs llenos de odio y miedo a los extranjeros que vienen huyendo de las guerras o quién sabe de qué.

[...] Las condiciones en que los refugiados son alojados en Alemania son más que dudosas en muchos casos. Ahora el ejército, en un generoso acto, ha puesto cuarteles con capacidad para 3.500 personas a disposición de los refugiados. Por suerte, podrán vivir en un verdadero ambiente carcelario en medio de la nada. Con la puerta abierta, pero con un billete a ninguna parte, ya que en muchos casos no hay ni autobús de línea ni ellos tienen dinero para pagarlo.

Fuente: http://www.diagonalperiodico.net/libertades/27463-alemania-tiene-problema-racismo.html

15 comentarios:

  1. Finalmente, Olarieta, que lucía como uno de los más preclaros marxistas de la Web, no es más que una persona de buen corazón.

    Aclarado. Tomamos conocimiento, ya lo sabemos.

    ResponderEliminar
  2. ¿Y a qué viene esta tontería? porque venir, viene de un tonto...

    ResponderEliminar
  3. Pues en que no es un análisis marxista, estulto del "orto". Lee lo que decía Marx de los trabajadores irlandeses que emigraban fruto de la hambruna de la patata y las políticas imperialistas inglesas, a las industrias del este de Inglaterra. Marx decía que eran aprovechadas por las burguesias para abaratar sueldos y cortar derechos.
    Marx hablaba de dos victimas, la clase obrera inglesa y la mano de obra precaria emigrante irlandesa. No, de una victima irlandesa y una clase obrera inglesa egoísta
    También afirmaba Marx, que la beneficiada burguesía aprovechaba esa emigración, para tener dividida a la clase obrera, dada la incompatibilidad del carácter temperamental irlandés y la forma de trabajar pausada y organizada anglosajona.
    Lo inadmisible son las muchas agresiones y amenazas de los escasos neo nazis, pagados y fomentados, por los mismos imperialistas, que causan estos conflictos Latricidas.

    ResponderEliminar
  4. Qué bueno que viniste...
    Pero yo el artículo no lo veo firmado por Olarieta y quien lo haya escrito
    lo ha hecho con otras intenciones muy diferentes a lo que tú estas diciendo...
    lo que pasa es que tontos como tú están a la caza de personas concretas...
    Así que múuuuu

    ResponderEliminar
  5. Parece que el que muge no sabe que Olarieta es algo así como el dueño de esta Web, Como Manel lo es de Kaos y Alba Rico de Rebelión.

    ResponderEliminar
  6. Sniper da Resistência abate comandante do ISIS em Sirte, Líbia:

    Retirado de: https://jamahiriyanewsagency.wordpress.com/2016/01/24/sirte-resistance-sniper-takes-down-daesh-commander/

    Estas duas pérolas revisionistas de Putin vão para os idiotas que ainda insistem em o adorar, triste situação a que chegamos, aonde basta uma merda atacar outra (EUA) que não gostamos, que logo uns idiotas o adoram. Atente-se nestas duas pérolas: 1º Putin, no 1º link, afirma que comunismo tem bons ideais, mas foram mal aplicados, mas o mais imperdoável é o afirmar que Bolcheviques acusaram o czarismo de ser repressor mas começaram o poder com repressão!!! Típica atitude revisionista, como Gorbalol, ao querer equiparar os excessos de Stalin com o genocida Hitler, agora Putin equipara Lenin com o czar, isto visa desvirtuar Outubro e o direito a se defender (foi assim que Gorby destruiu a URSS)!!!

    Retirado de: http://sputniknews.com/russia/20160125/1033688953/russia-socialism-communism-putin.html

    A 2ª pérola é a de que (comecemos a chorar de emoção), Putin, ainda guarda o carnet de militante do PCUS, uahahha, que comovedor, ACASO PENSA QUE SOMOS IDIOTAS??? Lança veneno puro contra o Enorme Lenin (porque no fundo tem inveja do lugar único que o génio imortal sempre terá) e depois pensa que nos ilude com estes vazios elogios, repletos de veneno, PUTIN, UMA MERDA REVISIONISTA!!!!

    Retirado de: http://mundo.sputniknews.com/rusia/20160125/1056068666/putin-gusto-comunismo-socialistas.html

    Oposição exige renúncia do presidente do Haiti:

    Retirado de: https://www.facebook.com/pages/Comit%C3%A9-de-Solidaridad-Internacionalista-de-Madrid/412146605593715?fref=nf

    ResponderEliminar
  7. Camaradas, sobre a questão dos refugiados, farei alguns apontamentos para clarificar quer a minha posição, quer para afirmar certas questões que penso serem importantes.

    A questão para mim não é que se deva apoiar ou não +pessoas fugidas de guerra, É CLARO QUE SIM!!! Para mim isso não merece sequer dúvida.
    A questão é outra. Como se faz esse apoio?? Acaso eu, supondo, tendo que fugir, levar a minha família, tenho que ter 40, 50 mil euros, pois só por pessoa cobram os traficantes cerca de 10 mil euros. E isto para ir do Oriente Médio á Europa, imagine-se um pobre de Bengala, quanto pagava só por uma pessoa?? Agora pensem. Todo o debate está a ser erroneamente (é isso que quer Merkel) focado numa lógica de “ou os ajudamos, deixando todos entrar, ou morrem todos”. Isto é chantagem emocional gratuita e é desonesta, pois na verdade, quem está a entrar são os que podem pagar isso. Os que não, fogem pelas montanhas, andam a pé desde Rojava á Alemanha (!). Primeiro pergunta: por essa lógica como se pode salvar do regime fascista um menino colombiano, hondurenho, bengali, tailandês, da África do Sul??? Quanto custaria tal viagem?? Apenas quem pode pagar se salva?? Porque na verdade, o que Merkel oculta, é que quem está a entrar é quem conseguiu se salvar de não morrer afogado no Mediterrâneo, de fome e frio ao passar as montanhas da Turquia, não morrer de ataques dos fascistas turcos de Merdogan, que ataca os curdos para não entrarem na Turquia!!! Isto faz algum sentido???

    Eis a minha proposta!

    Cria-se um comité internacional de apoio aos refugiados, logo na fronteira com a Síria. Cria-se aí um corredor seguro para quem tenha de fugir. Cria-se aí campos de refugiados, com toda a assistência médica, alimentar, etc, á guarda de uma força de paz dos estados mais poderosos, sem Merdogan, ISIS, para que se garante a segurança. A guerra durará alguns meses mais, não anos, porque a Rússia vai esmagar o ISIS. A minha proposta é boa? Faz sentido? Agora, que sentido tem a postura de Merkel?? Está-se a cagar para os desesperados, quer é mão-de-obra barata, que destabilize o estado social (e por fim erradicá-lo) , que é posar para foto e parecer humanitária, mas na verdade não quer gastar um euro a ajudar as pessoas a fugir, quer sim é que as pessoas gastem o que têm (quem não tiver que morra?) e venham para a Europa para serem usados como arma de destruição do estado social. Outro sinistro plano, é infiltrar o ISIS, através dos refugiados, para os salvar da derrota eminente (intrigante como o ISIS com milhares de membros, que desertam, ninguém consegue agora achar esses milhares. Adonde foram??? Despareceram??). E depois esses ISIS farão crimes como os de Colónia, de Paris, para criar o estado de sítio favorável a uma fascistização da sociedade. Isto é uma grande jogada. Terão sempre ataques (estranho como os terroristas do ISIS nunca se consegue apanhá-los, apesar de serem seguidos pelos serviços secretos, que estranhamente não os prendem, mas um comunista do PKK que vá para a Síria é logo interceptado..humm…). Esses ataques servem para qualquer invasão que se queira justificar. Por outro fará crescer PEGIDAS e merda desse género. Isto visa fascistizar os dois pólos da população europeia, cristãos nazificados com PEGIDAS, muçulmanos fascistizados com um ISIS. Trabalhadores em guerra, agredindo-se mutuamente, em vez de luta de classe, temos luta de raças!!! A direita avança, o comunismo afunda. Temos de parar isto!!!

    ResponderEliminar
  8. Continua

    Por outro lado, camaradas, as fronteiras da Europa (como as de qualquer estado do mundo), têm de estar abertas a dois grupos, mas com cautela em certos pontos. 1º, os refugiados. Logo um esclarecimento prévio. Um refugiado é alguém que foge por motivo de guerra, em caso de ser um civil desamparado, um exilado político, membro de um grupo que se quer exterminar (yazidis), ou alguém que foi expulso da sua casa, no decurso da guerra e agora não consegue regressar. Essa pessoa terá de ter apoio, os cristãos, yazidis, druzos, xiitas, são especialmente vulneráveis nesta guerra, mas não só, sunitas moderados, anti-ISIS, curdos comunistas também! Agora camaradas, uma pessoa que foge do serviçi militar, de defender o seu país, NÃO É UM REFUGIADO, QUE DIRIAMOS DE UM SOVÉTICO EM 1941, QUE FUGISSE POR MEDO DE MORRER??? E OS MÁRTIRES DE STALINGRAD????. Outra questão. Uma pessoa pode ser de classe média, ter lap-tops, andróids e ser tecnicamente um refugiado. Pode ser pois, um curdo, que tinha previamente, antes da guerra, um bom trabalho, mas agora é perseguido. Pode inclusive ser um membro de um PC curdo, sírio, que era, por supor, professor universitário, ganhava alguns milhares. A questão é outra. A menos que seja uma pessoa que não consiga regressar a casa, porque para já o ISIS ocupa-a, essa pessoa deve lutar no seu país, acaso elogiamos cobardes? A menos, que sejam os casos, como já antes falei, de pessoas que até queriam lutar, mas que como em Odessa, com uma situação temporariamente perdida, alguns camaradas foram para a Donetsk, não para ter paz, mas para se reorganizar, ganhar treino militar, armas, soldados. Como iria o Enorme Lenin, “dar um passo atrás, para dar 2 á frente”. Isso entende. Entendo o exílio de comunistas de Odessa, para reorganizarem e manterem a luta (nada nos adiantaria que morressem todos sem esperança), isto sim é a definição de manual de um refugiado, exilado político. Agora o que vemos camaradas, e parem de negar isto, pois será contraproducente, é algo distinto. Estes “refugiados” que chegam á Dinamarca, falando á ISIS “PKK são ateus comunistas infiéis” e outras pérolas, chegam ás câmaras e dizem-se maltratados, porque imaginavam subsídios de 10 000 coroas dinamarquesas ao mês e afinal eram 370. Então de súbito querem regressar. Então afinal estavam a morrer ou estavam á procura de dinheiro fácil. Com a dupla agravante deste comportamento oportunista roubar uma vaga que deveria ser de um comunista de Odessa, curdo do PKK, yazidi, colombiano fugido de Santos, e por outro lado ridicularizar o drama dos refugiados e tornar isto um instrumento dos nazis para atacar os verdadeiros refugiados. Isto parece-vos bem??? Acaso um comunista de Odessa, que teve irmãos queimados na Casa dos Sindicatos se preocuparia com um subsídio. Como creem que eles estão a viver? Da caridade comunista, em casa de membros do PC russo, sem subsídios ou subsídios parcos, mas o que os preocupa são os seus camaradas mortos ou atacados. Alguns conseguiram levar telefones móveis, e ainda bem, pois de certo os ajudou a comunicar com a resistência e o apoio aos mártires. Usam a Internet, os telefones para lutar contra Porcoshenko, para organizar comités, mandar apoio, criar células, Os “refugiados” que vemos com roupas de luxo, androids de milhares de euros, que são arrogantes com as populações locais europeias, rejeitando a comida dada, queixando-se de tudo, não aprecem ser ativistas políticos. O meu instinto raramente me angana e tenho um em relação a esta gente: ISIS! Tudo encaixa: atitude arrogante, dezenas de milhares de euros, gente jovem, que em vez de lutar fogem. E sobretudo fogem numa altura em que a Rússia a avançar é questão de tempo até a guerra acabar, então porque fogem??? Que os levou subitamente a fugir agora, que não fugiram em 2013 aquando do ISIS tomar 70% da Síria, 30% do Iraque??? Na verdade, suspeito que são ISIS, seus apoiantes que em Raqa, em 2014, quando parecia tudo ganho para o ISIS, gritavam Ala-u-Akbar e decapitavam crianças.

    ResponderEliminar
  9. Continua

    São a escória que apoiou o ISIS, esperando promoção social e saque na nova ordem. De certo, como marxistas sereis capazes de pensar no tipo de gente que apoia ISIS. São as elites reacionárias, pequena e alta burguesia, antiga nobreza árabe, que são fascistas, nunca aceitaram as independências esquerdizantes árabes, o laicismo de Assad, o socialismo parcial de Kadafi. Sempre quiseram manter um estatuto privilegiado e sentiram uma chance de se ver livres de Assad, mas o tiro sai-lhes pela culatra. Ou então, são o tipo de lúmpen, que se vende ao poder, os que esperam ser pagos apoiando a nova ordem. O tipo de gente que esperava enriquecer saqueando a Síria, a maioria dos jihadistas são mercenários, lúmpen, o que os move é dinheiro, não religião. Assim, indo por exclusão de partes o que move uma pessoa com milhares de euros e chance de fugir, a só fugir agora, quando precisamente a Rússia está á beira de ganhar? Porque não fugiram antes??? Simples, apoiaram o ISIS, pensaram que iam ter um Maidan, matando comunistas, laicos, curdos, iam receber milhares de euros por isso, roubar as terras aos vizinhos que eram anti-ISIS e enriquecer. Escória pura, do mesmo género do que vimos a matar os índios no Brasil ou Nova Granada. Agora que o ISIS está a perder é que fogem??? Não é óbvio o significado disto? Houve certa elite que fugiu logo no início, ou eram anti-Assad que foram para o Ocidente temendo represálias mal o regime se apoderou das terras (isto é um bom exemplo do que pode ser a elite que agora foge) e criaram um lobby anti-Assad ou eram cristãos, curdos de elite, que tendo dinheiro logo se salvaram (um caso distinto). Agora o que estamos a ver em certos refugiados desafio o ridículo. Não, camaradas, não encaixa no que está a ser dito, tem ar de embuste. Fazendo um perfil a essa gente: de elite, milhares de euros suspeitos, anti-comunistas claros…são não vê quem não quer!!Merkel, essa cretina anti-comunista, quer salvar essa escória!!! Expulsou pobres de casas sociais (muitos ironicamente imigrantes pobres) e agora quer alojar gente duvidosa? Porque não os ajudou em 2013, quando quem fugia eram comunistas do PKK, sem esperança e apoio nenhum?? Não era Merkel quem afirmava até 2014 que a Alemanha estava saturada de gente?? Porque este giro humanitário, quando de súbito é o ISIS em fuga???
    Por fim o 2º grupo, imigrantes pobres. A europa não pode alojar nem criar empregos para todo o mundo. Há pois uma imigração que existirá, natural, respondendo a ofertas de emprego, que a população local não satisfaz e uma imigração artificial, como esta que visa enriquecer traficantes, destruir o estado social, salvar o ISIS e ascender o fascismo. Devemos controlar as fronteiras e não deixar entrar cobardes que querem fugir do seu dever de defesa do país, ou oportunistas de classe média, que querem enriquecer com subsídios dos refugiados. Assim, os exilados políticos, refugiados de facto terão a chance de apoio. Quanto a isso não me oponho. Teremos de parar a imigração económica artificial, (não a natural) pois o que está a fazer é criar uma situação caótica, sem que ninguém ganhe com isso. Se uma pessoa gastar o pouco que tem para vir á Europa e percebe que foi enganado, que não tem emprego, acabará nas ruas, a mendigar e nem para casa consegue voltar, quem ganha com isto?? Estas pessoas estão a ser enganadas pelos traficantes, que as iludem com promessas, para elas pagarem a viagem e depois é uma catástrofe. Um caso exemplifica isto.

    ResponderEliminar
  10. Continua

    Há anos, vi na TVE espanhola, a situação dos meninos de África que vinham aliciados para jogar futebol. Os traficantes andavam de aldeia em aldeia, prometendo aos seus pais que conseguiam levá-los á Europa. Aí, fariam testes nos principais clubes. Se ficassem, assinavam bons contratos, se não, voltariam para casa, seguros. Isto era a promessa dos traficantes. Na verdade chegam milhares de meninos, e como nem todos conseguiam ficar dado o excesso de oferta, a maioria ficava sem nada. Contudo, não voltavam, pois os traficantes não queriam gastar dinheiro na viagem. Esses meninos ficavam abandonados na rua, sendo um fenómeno que as imprensa até então ignorou. Os que ainda tivessem a sorte de ter um contrato, ficavam alguns anos em Espanha, mas na verdade, o talento é algo raro, a maioria ao chegar aos 18, 20, 21 anos, depois de se ver que não dariam Maradonas, ficavam sem contrato, e acabam nas ruas, sem-abrigo, em 90% dos casos. Sim, 90% dos meninos africanos trazidos para a Europa para jogar numa 1ª fase u na 2ª fase acabam sem contratos, sem trabalho e 90% nas ruas. Este drama foi ocultado na imprensa. Reemergiu o tema com o célebre documentário sobre os “diamantes negros”, mostrando que a maioria acaba na pobreza, nem estuda, em trabalham sem casa e nem consegue regressar às suas famílias. Isto é uma poderosa metáfora da grande questão da emigração e demonstra que não é trazendo milhões de pessoas para empregos fictícios que o problema se resolve. Uma coisa é virem para de facto trabalhar, nenhum problema com isso, agora esta noção de que “ basta conseguir entrar na Europa que magicamente surgirá emprego, casas”, é um suicídio a longo prazo. Não resolve problema nenhum e ameaça criar um caos na Europa. Acaso a única solução num país é transportar a sua população toda? E criar um programa de desenvolvimento, independentizar-se dos EUA, desenvolver o país. É inconcebível para mim, que andem traficantes (que deveriam ser executados por isto) a roubar crianças dos sues pais com falsas promessas de trabalho ou contratos de futebol na Europa, para os pais pagarem a viagem, e depois 90% ficam sem nada!

    Por isso frisar claro: todo o apoio aos refugiados de facto, nada contra o direito a trabalhar num outro país, mas sim ter presente perigos, coisas que não encaixam e não perder de vista que o ideal de transformação não se faz fugindo ou transportando populações inteiras, mas sim resolvendo os problemas de fundo.

    ResponderEliminar
  11. ¿Y qué pasa si fuera cierto que Olarieta "es algo así como el dueño de esta Web"? ¿Tiene que darte a ti la contraseña para que digas tus tonterías y además así sería más marxista?
    Los artículos de Olarieta yo los veo firmados... pero parece que tú sabes mucho sobre quién es el administrador e la wez o "algo así"...
    En fin, que me confirmas que te importa un huevo el artículo y que vas a la caza de Olarieta...
    Lo dicho, ton-to...

    ResponderEliminar
  12. Jóven, yo me esfuerzo por avanzar hacia la libertad y prosperidad de los trabajadores. Dentro de ese marco general, dedico tiempo especialmente a comprender las causas del auge y caída de la Urss.

    Su alegato me confunde, no tiene nada que ver con lo que a mi me interesa.

    Mi posición la reitero: solo una solución marxista será del agrado de los trabajadores. Esta podría consistir en defender el estado de bienestar que existía en Europa para todos los trabajadores, tanto nativos como inmigrantes.

    Lo que hace esta Web, y dejémoslo ahí, olvidémonos de Olarieta en una aceptación de su alegato, no es marxista y perjudica a los trabajadores.
    Tal como dijo otro anónimo, recordando un escrito de Marx sobre la emigración de irlandeses por la hambruna de la patata, y traladado a la situación actual, lo que hace esta Web perjudica tanto a los trabajadores nativos como a los inmigrantes.

    En efecto, en estos artículos no se explica que los inmigrantes que la población recibe, están designados para trabajar que sueldos bajísimos, tanto o más bajos que los europeos que han sido reducidos a extrema necesidad.
    De un solo golpe, la masa de trabajadores en condiciones de grave pobreza, se aumentó significativamente con esta inmigración masiva.

    Algo que no se ha dicho todavía es que la incorporación de trabajadores inmigrantes en Europa es inevitable, por el envejecimiento de la población. Esa necesidad debe ser satisfecha. Antiguamente a Alemania llegaban turcos en condiciones normales, pero ahora se eligió traer inmigrantes en las condiciones más deplorables, con lo cual conseguirán reducir el dinero que el país destina a los trabajadores. Como se dice vulgarmente, el pedazo de la torta que recibe la clase trabajadora se achicará.

    En síntesis, lo que hace esta Web no se aprecia como marxista y perjudica a todos los trabajadores, tanto nativos como inmigrantes.

    Acepto su alegato. Elimínese de mis comentarios "Olarieta" y en su reemplazo insértese "esta Web".
    Busqué un ¿Quienes somos? y no lo encontré. Las apariencias a veces engañan, y bien pudiera ser que Olarieta no tenga nada que ver con la inserción de tres artículos sobre refugiados del mismo tenor y numerados correlativamente.

    No puedo terminar sin dejar de mencionar que nunca había visto a nadie en esta Web recurrir a los insultos. Usted le hizo perder la virginidad, dentro de lo que yo conozco.

    ResponderEliminar
  13. Aquele camarada que fala sobre a inevitabilidade de entrada massiva de emigrantes por conta do envelhecimento da população nativa. Isso é um mito e uma postura contrária ao marxismo. As sociedades industriais capitalistas estão a envelhecer porque se torna impossível ter filhos, e não porque os jovens não queiram ter filhos. Então, em vez de resolver esse problema, transporta-se massas de pessoas para aqui?Então esses podem ter filhos, os nativos não??? Então não resolves o problema de raiz??Então a população europeia que desapareça, desde que o capital tenha novos trabalhadores? Essa é a solução?? Acaso não achas que mal esses trabalhadores chegam á Europa, serão afectados pelo mesmo modelo liberal e também para eles será impossível ter filhos?? E aí que se faz?? Mais imigrantes??? E quem está na Europa, essa juventude que está a chegara aos 30 anos, sem trabalho, nenhumas perspetivas de vida, nem filhos pode ter??Nem ao menos essa alegria na vida?? É assim que se resolve o problema?? Acaso na URSS esse problema existia??Não, porque esta defendia os trabalhadores, criando apoio social e emprego pleno, agora esta ideia ridícula "falta gente na Europa?Traz-se mais do estrangeiro", isso significa abandonar os nativos, esses ao que parece não têm direito sequer a ter filhos, depois de já não poderem trabalhar, casar, e em vez dos PCs se preocuparem em dar resposta a isto dizem "traga-se mais pessoas". Se acaso se criasse empregos na Europa e apoio social, haveria de novo um crescimento demográfico na Europa na população nativa! Acaso não te preocupa a desaparição das nações da Europa?? Acaso não criticamos a morte lenta, pela regressão demográfica dos índios?? Então porque não te preocupa a regressão europeia? Isso não resolve nada, porque a breve trecho, o capitalismo irá ver-se livre desses imigrantes, quando lhe convir, temos de ter soluções de fundo, não expedientes, que ainda por cima são perigosos, não vês que essa atitude só irá entrincheirar a população europeia no desespero?? Os europeus não podem ter filhos?? E queres trazer pessoas, como se vê na cultura árabe, onde a mulher tem 8 filhos, é por isso mesmo escravizada, não consegue trabalhar, mas recebem apoios sociais, isso sacraliza a exploração da mulher, que me vez de vir para a Europa estudar, na verdade a sua vida pouco muda, continua a ser uma escrava de ter filhos, do marido. Mas mantém-se isto dando subsídios por cada um, o que só perpetua isto, assim a mulher árabe aqui não trabalha, o casla mantém-se de subsídios, nada muda para ela, mas um casal europeu, de jovens desempregados, esses não recebem apoio algum. E depois dizem “os europeus não querem ter filhos, temos de ter mais jovens”. Criam empregos e apoio, que surgirão mais crianças. Que futuro nos aguarda com essa mentalidade?? Que problemas resolve????

    ResponderEliminar
  14. El portugués me cuesta, pero me parece que yo no dije lo que usted dice que yo dije.

    ResponderEliminar
  15. Eu entendi que você tinha afirmado o argumento que os imigrantes trazem filhos e renovam a população!!! Apenas me opus a esse argumento falacioso e perigoso. Na Europa uma juventude inteira, chegando aos 30 anos, sem poder trabalhar, casar, ter filhos é um barril de pólvora. Adoptar expedientes temporários e não soluções de fundo é perigoso.

    Se você não disse isso, então lhe pido desculpas, porque de forma alguma quis atacar quem quer que fora!! Apenas penso que este é um debate crucial, a que temos de responder com racionalidade, a URSS não absorvia todo o mundo, mas apoiava as guerrilhas e grupos transformadores, temos de ir por aí e não esta mentalidade perigosa de fuga aos problemas.

    De forma alguma quis atacar quem fora, pido desculpas se tal alguém pensou! E pido desculpas se entendi mal o que você disse.

    Por fim, deixar claro que não está em causa direito ao trabalho, a emigrar ou ao asilo, receberia sem problemas refugiados, oponho-me sim á perigosa noção de fugir ao serviço militar na Síria, a abandonar o país em guerra (excepto as crianças e quem de facto tenha de fugir pois não possa temporariamente regressar) e custa-me ver o circo de certos refugiados duvidosos, que são oportunistas de classe média (muito provavelmente apoiantes do ISIS) a queixar-se de tudo, atacar tudo, a violar em Colónia, isto só pode dar mau resultado, a população local pode aderir ao fascismo. Nada contra os refugiados de facto, como os nossos irmãos em Odessa, Mariupol, Suruk, Colômbia, apenas sim termos em conta certas coisas que não encaixam e certas ideias perigosas.

    Peço mais uma vez desculpa se interpretei mal o que disse.

    ResponderEliminar